Hérnia de disco: o que é, causas, tipos, sintomas e tratamento

A hérnia de disco é um problema que afeta em torno de 6 milhões de brasileiros, sendo a 2° maior causa de afastamento do trabalho.

Suas principais características são dores intensas na região das costas, ombros e nuca, que impedem, reduzem, significativamente, a qualidade de vida de quem sofre com isso.

Mesmo não tendo cura, é possível conviver com a hérnia de disco, realizando-se o tratamento adequado.

Neste artigo, explicamos o que é a hérnia de disco, as principais causas, sintomas os tipos de hérnia e como é realizado o tratamento. Continue a leitura!

O que é hérnia de disco?

A hérnia de disco é caracterizada pelo desgaste dos discos intervertebrais, que são estruturas em forma de anel, constituídas por tecido cartilaginoso e elástico, localizados entre as vértebras da coluna vertebral.

Esses discos têm a função principal de evitar o atrito entre uma vértebra e outra, amortecendo o impacto entre elas. Quando ocorre o desgaste, há uma compressão as raízes nervosas que emergem na coluna, provocando dor intensa.

O aparecimento é mais comum na faixa dos 30 aos 50 anos, sendo mais comum à medida que a idade avança.

Entretanto, é comum encontrarmos crianças e jovens com este problema, tendo como causa principal a má postura.

Causas de hérnia de disco

São várias as causas. Como falamos, até crianças e jovens podem ser afetados pelo problema.

As principais são:

  • Má postura ao sentar, caminhar e dormir;

  • Predisposição genética;

  • Envelhecimento;

  • Sedentarismo;

  • Tabagismo;

  • Passar muito tempo em pé ou sentado;

  • Realização de movimentos intensos que sobrecarregam a coluna, como pegar muito peso;

  • Esportes de alto impacto;

  • Fatores psicológicos e psicossociais.

Tipos

Existem hoje 3 tipos de hérnia de disco. São eles:

  • Protusa, que é o tipo mais comum e considerado menos grave. Ocorre quando o núcleo do disco intervertebral se alarga, mas permanece intacto. As paredes do disco podem então tocar regiões de grande sensibilidade nervosa. Esse tipo causa dores e incapacidade de realizar alguns movimentos.

  • Extrusa: é considerado um tipo grave de hérnia de disco. Aqui, o disco encontra-se deformado, fragmentado e com fissuras, pelas quais saem o líquido gelatinoso presente em seu interior, que segue para o espaço epidural.

  • Sequestrada, que é o tipo mais grave de hérnia. Ocorre quando o líquido gelatinoso adentra o canal medular e pressiona a raiz nervosa, causando compressão e inflamação. Aqui, é dor é chamada de “dor química”, uma vez que o líquido possui propriedades ácidas que, em contato com o canal medular, causa dores insuportáveis. Em alguns desses casos, podem ser recomendado a cirurgia.

Sintomas

Os sinais da hérnia de disco podem aparecer anos antes da doença se intensificar ; as dores vão variando, de leve, moderada a intensa.

Os principais sintomas da hérnia de disco são:

  • Dores na coluna, na nuca, na cabeça e no ombro, de modo que irradiam;

  • Parestesia, ou seja, sensação de formigamento, com ou sem dor;

  • Dor na perna ou braço em conjunto com a dor de coluna;

  • Redução da força;

  • Fraqueza nas pernas;

  • Dificuldade extrema para segurar a urina;

  • Dores noturnas;

  • Dificuldade para ficar com a coluna ereta.

O diagnóstico é feito pelo médico ortopedista, podendo ser solicitados exame clínicos, tomografias, ressonâncias, Raio- X e exame neurológico.

Tratamento para hérnia de disco

Embora seja um problema delicado, a notícia “ boa” é que apenas 10% dos casos de hérnia de disco possuem indicações para cirurgia. Normalmente, a grande maioria das pessoas com este problema responde bem ao tratamento, sem precisar desse tipo de intervenção.

Os principais tratamentos indicados para a hérnia de disco são:

  • Sessões de fisioterapia;

  • Analgésicos e antiinflamatórios;

  • Repouso;

  • Acupuntura;

  • Musculação e pilates, para ajudar no fortalecimento.

Um estilo de vida saudável e não sedentário ajuda bastante a prevenir a hérnia de disco. Se você se identificou com os sintomas descritos neste conteúdo, procure um médico especialista.

O blog da Cedro sempre está buscando desenvolver os melhores conteúdos para você. Assine agora a nossa newsletter para receber os nossos artigos!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *