Plano de saúde e doença pré-existente: 8 principais dúvidas

Na hora de adquirir uma assistência médica, muitos usuários possuem dúvidas em relação ao plano de saúde para portadores de doença pré-existente. Diante destas questões é preciso entender como é a cobertura nestas situações.

Para abordar estes itens seguimos com base nas regras da Agência Nacional de Saúde.

Acompanhe a seguir as oito questões mais comuns.

1 – O que são doenças pré-existentes?

Conforme a Agência Nacional de Saúde (ANS) a doença ou lesão preexistente se configura quando o beneficiário ou seu representante legal sabia ser portador, ou sofredor no momento da contratação, ou adesão ao plano privado de assistência à saúde.

Em resumo, significa que o segurado precisa ter conhecimento da lesão. Ou seja, caso ele não saiba sobre a doença ao efetuar o plano, esta não pode ser considerada preexistente.

Por isso, algumas operadoras adotam o procedimento de  avaliação médica prévia, ou perícia médica. Neste processo os médicos podem confirmar a doença por meio dos exames clínicos ou solicitar exames complementares, se for o caso.

2 –  O plano de saúde pode ser negado?

Conforme a lei nenhuma pessoa pode ter o plano de saúde negado só por ter uma doença preexistente.

O que acontece é que devido à doença preexistente os planos possuem um tempo maior de carência de até 24 meses. Este prazo máximo de carência foi definido pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

3 – Quais restrições do plano de saúde com doença pré-existente?

Depois que é feita a assinatura do contrato, o usuário tem um prazo de carência de dois anos para alguns procedimentos. Esta cobertura é conhecida como “cobertura parcial temporária” e inclui cirurgias e internações. Outros planos também incluem procedimentos de alta complexidade.

Entretanto, o segurado precisa manter os pagamentos das mensalidades dentro do prazo de dois anos de carência.

4 –  O que é a Cobertura parcial temporária (CPT)

A Cobertura parcial temporária (CPT) é uma carência de 24 meses para as doenças declaradas. Entram nesta categorias as cirurgias e internações de leitos de alta tecnologia, assim como exames caros e procedimentos de alta complexidade, listados pela agência Nacional de Saúde Suplementar, a ANS.

5 – Quais são os prazos para coberturas e lesões preexistentes?

Prazos de 24 horas

Os prazos iniciam a partir da vigência do contrato ou com novas inclusões. Assim, o prazo de 24h (vinte e quatro horas) enquadra nos casos de urgência e emergência decorrentes de acidentes pessoais, conforme Agência Nacional de Saúde Suplementar – ANS.

Prazo de 30 dias

O prazo de 30 (trinta) dias segue para consulta e sessões, com coparticipação com nutricionista, fonoaudiólogo e terapeuta ocupacional. Estes devem partir como referência da contratada.

Prazo de 300 dias

O prazo de 300 dias equivale para o parto normal e cesariana.

Prazo planos empresariais

Já os prazos relacionados aos planos coletivos empresariais é necessário verificar com o responsável pelo plano da empresa.

6 – Quem tem câncer tem direito ao plano de saúde?

Uma pessoa com diagnóstico de câncer pode conseguir um plano de saúde pessoal. Entretanto, os procedimentos complexos relacionados as doenças não são cobertos pelo período de 24 meses.

Entram nesta categoria conforme ANS quimioterapia, tomografia computadorizada, ressonância magnética, etc.

7- Quais são os prazos para atendimento?

Conforme a ANS os prazos seguem conforme os períodos de carência de acordo com o seu contrato e procedimento. Estes prazos possuem validade com os profissionais ou estabelecimentos de saúde. Para detalhes completos sobre os prazos máximos, acesse a cartilha da ANS.

8 –  Como contratar um plano de saúde com doença pré-existente?

A Cedro oferece diversos corretores especializados e prontos para garantir o seu atendimento. Portanto, caso você tenha alguma dúvida sobre os planos de saúde de doenças preexistentes, os corretores da Cedro podem lhe dar mais detalhes. Entre em contato.