Cardiopatia congênita e Intervenção cardíaca fetal: saiba mais

De antemão, receber o diagnóstico de algum problema cardíaco é sempre devastador e preocupante. Agora, e se esse diagnóstico for para o seu bebê que ainda está sendo gerado? Mas calma, não se desespere, porque a Corretora Cedro chegou e vai te explicar tudo sobre cardiopatia congênita.

Orçamento em Todo o Brasil de Planos de Saúde, Odontológicos ou Seguros

Receba um contato por WhatsApp ou Ligação em 1 minuto

Ao final deste artigo, você estará muito bem informado(a) sobre o que é cardiopatia congênita, quais são as causas desta anomalia, quais são os sintomas e como é possível tratar este problema de saúde. Ficou interessado(a) para saber mais? É só continuar lendo o texto! Boa leitura!

O que é e o que causa cardiopatia congênita?

Em primeiro lugar, cardiopatia congênita é um problema de saúde que se caracteriza pela presença de alguma anormalidade estrutural ou funcional do coração desde o nascimento do bebê.

É uma condição mais comum do que imaginamos: atinge cerca de 29 mil crianças por ano, estimando uma quantidade de 10 casos para cada 1.000 nascidos vivos. Além disso, estima-se que 6% morrem antes de completar 1 ano de idade.

Além disso, a cardiopatia congênita pode manifestar sintomas no nascimento, na infância e até mesmo na fase adulta. No que diz respeito às causas desta anormalidade, nós podemos citar:

  • Herança genética;
  • Uso de antidepressivos e drogas ilícitas;
  • Doenças maternas, como: diabetes, lúpus e rubéola;
  • Gravidez gemelar;
  • Fertilização in vitro.

Apesar de não existir uma forma de prevenção da doença, alguns comportamentos podem ser adotados a fim de reduzir esse risco. Portanto, é de suma importância que o casal procure um médico para verificar o estado de saúde, mesmo quando a gravidez ainda é um desejo.

Quais são os sintomas da cardiopatia congênita?

Como visto anteriormente, os sintomas da cardiopatia congênita podem surgir durante o nascimento ou na fase adulta. Com base nisso, os sintomas podem se apresentar de formas um pouco diferentes de acordo com a idade que o indivíduo se encontra.

De modo geral, os sintomas mais comuns da cardiopatia congênita são:

  • Fadiga;
  • Cianose;
  • Dispnéia;
  • Cansaço entre as mamadas;
  • Sudorese;
  • Apatia e palidez;
  • Pouco apetite e baixo peso;
  • Irritação.

Quando a pessoa já se encontra na fase adulta, os sintomas podem evoluir para insuficiência cardíaca, hipertensão pulmonar, infecções respiratórias frequentes e baqueteamento digital.

Tipos de cardiopatia congênita

Você sabia que existe mais de um tipo de cardiopatia congênita? Pois é, tanto podem ser leves quanto graves. A seguir, confira quais são os tipos e uma breve explicação sobre cada um:

  • Cardiopatia congênita cianótica: é o tipo mais grave, porque pode comprometer significativamente a oxigenação do sangue. Dependendo da gravidade, o indivíduo pode apresentar falta de ar, desmaios, convulsões e, até mesmo falecer. As principais cardiopatias são: Tetralogia de Fallot, Atresia pulmonar e Anomalia de Ebstein.
  • Cardiopatia congênita acianótica: as alterações causadas por este tipo de cardiopatia nem sempre trazem consequências graves para o funcionamento cardíaco. Vale ressaltar que a quantidade de intensidade dos sintomas dependem da gravidade do defeito cardíaco e pode provocar episódios que vão desde ausência de sintomas ate insuficiência cardíaca. As principais cardiopatias são: Comunicação interventricular, Defeito no septo atrioventricular, Comunicação interatrial e Persistência do canal arterial.

Intervenção cardíaca fetal

Antes de mais nada, a intervenção cardíaca fetal se trata de um procedimento terapêutico invasivo no coração do feto que é feito com o objetivo de melhorar as condições clínicas que são graves.

Apesar de não ser possível curar a cardiopatia congênita no bebê através de um tratamento intra-útero invasivo, é possível melhorar as condições de fluxo sanguíneo dentro do coração.

A intervenção cardíaca fetal é realizada em um centro cirúrgico e sob efeito de uma anestesia raquidiana na gestante. Como se trata de um procedimento invasivo, é injetada uma solução anestésica no cordão umbilical para que o bebê não sinta dor.

Durante esta intervenção, um balão é introduzido através da agulha e insulflado por meio da estrutura a ser dilatada. Vale ressaltar que o procedimento é monitorado pelo ultrassom e a gestante só precisa permanecer internada em observação por um período de 12 a 18 horas.

Participe do nosso Canal Silencioso do Telegram

Você vai receber conteúdos direto no seu celular, sem custo e totalmente gerenciado pela nossa equipe de escritores.

Participar do Canal do Telegram

Outros tratamentos para cardiopatia congênita

Primeiramente, é preciso mencionar que o tratamento clínico é feito de acordo com o quadro de cardiopatia congênita que o paciente apresenta. Alguns casos não exigem tratamento, pois o quadro evolui para a cura de forma espontânea. Já nos casos graves, o médico pode recomendar o tratamento cirúrgico, também conhecido como cateterismo cardíaco terapêutico.

Por outro lado, algumas medicações podem ser administradas na gestante ou no cordão umbilical quando o caso é de arritmias intraútero.

Orçamento em Todo o Brasil de Planos de Saúde, Odontológicos ou Seguros

Receba um contato por WhatsApp ou Ligação em 1 minuto

Cardiopatia congênita: mais informações

Receba conteúdos e ofertas quentes na hora no seu email

Já somos mais de 5.000 assinantes em todo o Brasil, assine você tambem.

Por fim, nós queríamos te aconselhar a assinar nosso newsletter. Dessa forma, é possível ficar por dentro de muitos outros conteúdos relevantes, como este sobre cardiopatia congênita, que vão te ajudar a dispor de uma melhor condição de saúde.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *